Hello peoples of the world! (tradução abaixo)

Today is a special day. Or, well, only special for me. Today marks one year since I officially was bound for this brave, new part of the world. It’s the day I got accepted into UFV, the university I’ve been studying at since August last year. The amazing and weird part is how quickly the time has gone. I remember the last time I moved to a new country (Finland-Netherlands, in 2001), time seemed to go pretty slowly the first few years, but I’m not sure if that’s because I was younger. I did also move back to Finland in 2006 for a couple of years for military (civil) service, but that didn’t pass nearly as quickly either. So either I’m having lots of fun or I really am getting old!

It’s not quite one year ago since I actually moved to Brazil, but it sure was very tight between getting accepted into UFV and getting all my documents ready! I’m really not thinking back to that time with fondness, as the bureaucracy literally stretched until the very moment I HAD to be on the plane (end of July). But it definitely was worth it. And also a good experience on a worst-case bureaucracy, so I know for a potential next time not to be so nice to officials!

And recapping on where I stand right now. Yes, I feel at home, and no, I haven’t given up despite the insane uphill battles I’ve had. I still can’t quite grasp what went through my head, water-bombing into a Master’s Degree in a language I, for the first time, had only shaken hands with less than half a year before that. I did have a lot of friends who were pepping me from the sidelines, who probably made me feel unstoppable, despite my plans being epically stupid. But sometimes this kind of stupidity is just another term for “quit limiting yourself”. I’m sure that if I had fallen back on many of my old habits of thinking, I’d never have ended up where I am. I know there are many people who dream of being able to go further than they imagine, and to you I say this: The sky isn’t the limit your mind is.

Now, I hear you going all choir on me with “Easy for you to say!” But the fact is that it’s never been easy. Like I’ve talked about before, I’m officially diagnosed with social phobia (among other things), which means that I shouldn’t have been able to get as far as this, but as powerful as the mind is at kicking you to the ground, it’s equally powerful at kicking itself out of your way. The trick is to find a way to do this, which, unfortunately, doesn’t have a universal solution. For me, it was all about finding a way to magnify all the things in my life that have actually been good and made me feel more than I usually thought of myself. I don’t for a second believe I’ve had a tougher life than everyone else, but there are certain things that happened right from the start that gave me handicaps not everyone I know has. So, again, I say this: I don’t think anything I say are or have ever been easy, but that you, my readers, should know that not even the way you were brought into this world is a reason to hinder you.

I can tell by my philosophical tone that it’s late right now. 2 am in the morning, in fact. But I really do believe that if I could do it, anybody can, no matter how cliche this sounds. With this third alternate way of saying all this, I bid you all a good morning, which it probably isn’t when you read this.


Olá povo do mundo!

Hoje é um dia especial. Ou, bem, só para mim. Hoje marca um ano desde eu oficialmente estava a caminho para esta nova parte do mundo. Era o dia no que fui aceito à UFV, onde estou fazendo mestrado desde agosto do ano passado. A coisa maravilhosa e estranho é quão rápido passou o tempo. Me lembro a última vez que eu mudei para um novo país (Finlândia-Holanda, ano 2001), o tempo passou lentamente durante os primeiros anos, mas não tenho certeza se era por que eu era mais jovem. De fato mudei de volta à Finlândia por uns dois anos para fazer serviço militar (civil) mas naquela época também não passou tão rapidamente. Então, ou estou me divertindo ou estou ficando velho mesmo!

Não passou exatamente um ano desde eu mudei ao Brasil, mas foi sim muito apertado entre ficar aceito à UFV e arrumar todos os documentos! Não estou lembrando naquela época com carinho mesmo, pois o burocracia literalmente demorou até tive que estar no avião. Mas valeu a pena, com certeza. Também era uma experiência muito bom com uma burocracia pior caso, então sei para a próxima vez não ser tão legal com funcionários!

E para resumir na situação atual. Sim, estou me sentindo em casa, e não, não desisti apesar das batalhas subidas insanas que já tive. Ainda não consigo entender o que passou pela cabeça, quando pulei precipitadamente em um mestrado em uma língua que conheci só menos de um meio ano antes disso. Tinha sim muitos amigos que estavam torcendo do lado de fora, que provavelmente me fez sentindo imparável, apesar dos meus planos epicamente estúpidos. Mas às vezes este tipo de estupidez só é um outro maneira a dizer “pare de se limitar”. Tenho certeza que se tinha caído para trás em velhos hábitos, jamais teria chegar para cá. Eu sei que há muitas pessoas com sonhos de ser capaz de ir mais longe que eles se imaginam, e para vocês eu digo: O céu não é o limite —seu mente é.

Agora ouço vocês cantando em um coro “Fácil para você dizer!” Mas a realidade é que nunca era fácil. Como estou falando sobre antes, eu estou oficialmente com diagnóstico fobia social (e mais), o que significa que eu não deveria ter sido capaz de alcançar até aqui, mas como poderoso é o mente chutá-lo para o chão, é igualmente poderoso chutar a si mesmo fora do seu caminho. O truque é achar um jeito a fazer isso, o que, infelizmente, não tem uma solução universal. Para mim, ficou-se sobre aumentar tudo que na minha vida foram bom e que me fez sentir mais do que usualmente pensou sobre a mi mesmo. Não me imaginar por um segundo que tive uma vida mais duro do que todo mundo, mas há certas coisas que me deu desvantagens imediatamente desde o início que cada pessoas que conheço não tem. Por isso, falo de novo: Não creio que nenhuma coisa que digo ou já disse tinha sido simples, mas que vocês, meus leitores, devem saber que nem mesmo o jeito em que vocês chegaram ao este mundo é uma razão deixar vocês ser prejudicados.

Me percebo pelo meu tom de voz filosófico que está muito tarde agora. 3 horas da manhã, na verdade. Mas eu creio mesmo que se eu fui capaz, qualquer pessoa também consegue, não importa o quão clichê soa isso. Com esse terceiro jeito para dizer esse tudo de novo, desejo-lhe bom dia, o que provavelmente não está mais quando vocês que leem.

Advertisements